UD16 – SOBRE/VIVÊNCIA

O UD16 é um encontro promovido pelo Programa Doutoral em Design da Universidade de Aveiro e da Universidade do Porto, com revisão por pares e periodicidade anual. Esta quinta edição, a segunda de caráter internacional, é organizada pelos doutorandos em Design da Universidade de Aveiro, e pretende reunir estudantes de doutoramento, professores, recém doutorados e investigadores em torno da investigação em design sob o tema geral “SobreVivência”.

Oradores Convidados

 

plus

Ana Correia de Barros

Fraunhofer Portugal AICOS

plus

Rafael Cardoso

Universidade do Estado do Rio de Janeiro

plus

Mario Trimarchi

Fragile

plus

Alastair Fuad-Luke

The Free University of Bozen-Bolzano

Livro de Atas

atas_cover

Título

Livro de Atas UD16 – 5º Encontro de Doutoramentos em Design

Editores / Coordenadores

Cátia Pereira, Ivo Fonseca, Olinda Martins, Renata Arezes e Silvina Félix.

Design e paginação

Ivo Fonseca, Olinda Martins, Renata Arezes e Silvina Félix.

Editora

UA Editora
Universidade de Aveiro
Serviços de Biblioteca, Informação Documental e Museologia
1ª edição – abril 2017

ISBN

978-972-789-504-5

O livro de resumos do UD16 também se encontra disponível para transferência.

APRESENTAÇÃO

No contexto actual, marcado pela incerteza e complexidade, cabe ao design questionar, pôr em causa e projetar, contribuindo para a (re)significação da presença humana no mundo; da vida, nas suas várias dimensões. A investigação em design, geradora de sentidos para um maior conhecimento sobre a vivência, é também potenciadora de atividade projetual e da criação de novas soluções para problemas complexos, que afetam a existência, a preservação e a continuidade de pessoas, culturas e lugares. A SobreVivência é, assim, o mote para a reflexão; da polissemia que o termo encerra à constelação semântica em que se desdobra: o indispensável e o supérfluo; o básico e o luxuoso; o material e o espiritual. A sobrevivência, a supervivência, a subvivência, a revivência… que vidas queremos com o design desenhar?

PROGRAMA

Hora

Sala 1

Sala 2

08h30 09h30 Receção e inscrições
09h30 10h00 Sessão de Abertura:

Reitor da Universidade de Aveiro
Prof. Doutor Manuel Assunção

Diretor do DeCA
Prof. Doutor Rui Raposo

Diretor do ID+
Prof. Doutor Vasco Branco

Diretor do Programa Doutoral em Design da Universidade de Aveiro
Prof. Doutor Francisco Providência

10h00 11h00 Keynote: Ana Correia de Barros
Old people, young design researchers and participatory design
11h00 11h30 Coffee break
11h30 12h45 Sessão 1A – SOBREVIVÊNCIA

Fernanda Pina, Vera Damazio e Marília Ceccon
Design & Longa e Boa Vida: considerações para manutenção do status “economicamente ativo” dos idosos.

Renata Arezes e Joana Quental
Comunicar: sobre a vivência para a sobrevivência. O papel das emoções no desenho da comunicação médico-paciente-família no tratamento do cancro da mama.

Ivo Fonseca, Pedro Bessa e Mário Vairinhos
Design de experiência na construção de soluções de mHealth.

Silvia Maria Gramegna e Alessandro Biamonti 
A Design Approach for Extra-Ordinary People: the case of Alzheimer’s Disease.

Sessão 1B – SOBRE-VIVÊNCIA

Syomara Pinto, Cláudia Romero, Joana Cunha e Joana Quental
Vitrinas de moda e o design emocional: um contributo para o comércio popular de Fortaleza.

Susana Azevedo Cardal
Marcas “Sobre-Viventes” em Outros Corpos – A tatuagem escrita na primeira metade do século XX em Portugal.

Liene Jakobsone
Critical and speculative design as approach towards gender equality through product design.

Isa Tiburcio
Espaço urbano intermediário: design e light art como catalisadores de mudança.

André Abrahão, Ana Veloso, Mário Vairinhos e Vasco Branco
Proposta de uma metodologia para o design de dispensadores de medicamentos, baseados em media tangíveis, para seniores de baixa literacia.

12h45 14h15 Almoço
14h30 15h30  Sessão 2A – SOBRE-VIVÊNCIA

Airton Filho e Marshal Lauzer
A usabilidade, a satisfação e a emoção.

Yanick Trindade
Design de jogos digitais. A narrativa santomense como elemento estruturante.

Ana Dalagnoli, Marshal Lauzer e Flávio Santos
Percepção da satisfação do público feminino durante o uso de aplicativos editoriais em dispositivos móveis.

Valéria Boelter e Débora Aita Gasparetto
As especificidades das mostras em Arte e Tecnologia Digital: sobre a vivência do designer de exposições.

 Sessão 2B – PARA A VIVÊNCIA

Raquel Pires , João Mota e Katja Tschimmel
Indústrias Culturais e Criativas em contextos rurais: sobre(a)vivência da Rede Sete Sóis Sete Luas em Alfândega da Fé.

Patrícia Wielewicki, Rui Roda e Manuel Graça
Inovação e criatividade sob a lente do design.

Cristiane Menezes, Nuno Dias e Vasco Branco  
Reflexão sobre inovação radical de significados: uma perspectiva para o estudo da significação do ‘novo’ em design.

Raul Pinto, Derya Irkdas Dogu, Can Ozcan, Paul Atkinson, Joaquim Vieira e Miguel Carvalhais
Designing Research Tools: Empirical knowledge as a base for future beekeeping.

15h30 16h30  Keynote: Alastair Fuad-Luke
An expanded field of resilient agri-culture: Design challenges, dissonant acts and opportunities
16h30 17h00  Coffee break
17h00 18h00  Sessão 3A – SOBREVIVÊNCIA

Carlos Delano Rodrigues, Carlo Franzato e Rita Almendra
Design Social: Fundamentos, tendências e contribuições para transformação social em processos de microplanejamento.

Ana Oliveira, Rita Engler e Nadja Mourão
Tecnologia Social para empreendimentos das Indústrias Criativas – dois casos de Estudo.

António Gorgel Pinto
Prática Transmedia de Envolvimento Social: Máquina de Co-design em Bairros da Amadora.

Ana Roberti
PARA cidadãos? O bloqueio exercido pelo “outro” num estágio de abordagem caótica em uma investigação.

 Sessão 3B – Apresentação de posters

Marta Santos
Princípios de pesquisa online para a serendipidade: o processo criativo como caso de estudo.

Felipe Domingues , Salvatore Zingale e Dijon De Moraes
Semiótica aplicada ao design: O pragmatismo como base epistemológica para o projeto de design.

Natália Plentz
Sustentabilidade Ambiental e Social no Ensino do Design: Um Estudo Comparativo.

Melissa Pozatti
O papel do design no desenvolvimento das comunidades locais.

Cláudio Sampaio, Suzana Martins, Fernando Moreira da Silva, Rita Almendra
Inovação e sustentabilidade a partir de resíduos sólidos: um modelo para o processo de I&D.

Cátia Pereira, Teresa Franqueira, Álvaro Sousa
Para uma abordagem do design na relação entre academia e a sociedade.

19h00 20h00 Passeio pelas ruas de Aveiro pelo Aveiro Free Walking Tour (donativo livre)
20h30 Jantar de convívio no restaurante Mercado do Peixe

 

Jantar de convívio

O jantar de convívio do UD16 irá decorrer no restaurante Mercado do Peixe, às 20h30. Mais informações e inscrição aqui.

Hora

Sala 1

Sala 2

09h00 10h00 Receção e inscrições
10h00 11h00 Keynote: Mario Trimarchi
Living in Silence
11h00 11h30 Coffee break
11h30 12h45 Sessão 4A – SOBRE A VIVÊNCIA

Cristiana Serejo
A materialidade gráfica da Revista Presença – Uma investigação de doutoramento com contributo histórico para o design gráfico português.

Fernando Rojas, Stuart English, Robert Young e Nick Spencer
Bridging Mindfulness and Design.

Olinda Martins, Joana Quental e Alice Semedo
Paisagem e o património gráfico. Argumentos para a investigação em design.

Paulo Marcelo
Design, identidade e memória das marcas históricas portuguesas o caso da marca Viarco.

Mariana Leão
Planos de comunicação das campanhas do SNI: 1950–70.

Sessão 4B – PARA A VIVÊNCIA

Silvina Felix e Nuno Dias
Design para o fabrico aditivo: Oportunidades para o design através da complexidade, da customização e do processo construtivo.

Artemisia Caldas, Miguel Carvalho e Humberto Lopes
Design de vestuário ergonómico para o público idoso dependente

Germana Bezerra e Miguel Carvalho
Metodologia de Design de vestuário infantil com foco na ergonomia.

Leonardo Martins, Mario Lima, Jackeline Farbiarz e Luiza Novaes
Reflexões sobre um design em transformação.

Renato Bispo e Vasco Branco
Design contra o Estigma: a importância do simbólico.

12h45 14h15 Almoço
14h30 15h30  Sessão 5A – PARA A VIVÊNCIA

João Costa, Liliana Soares e Eduarda Gomes
O Design Primário e o desenvolvimento de um produto semi-industrial.

Humberto Costa e Aguinaldo dos Santos
Design para Serviços e Consistência Estética.

Aline Souza, Lia Krucken e Rita Almendra
O papel dos materiais autóctones e das técnicas construtivas tradicionais no reconhecimento de valores e qualidades de territórios: a perspectiva do utilizador.

Susana Fernandes, J. L. Esteves, Paulo Bago de Uva e Ricardo Simões
Aspetos Psicológicos e Cognitivos do envelhecimento: a vivência sénior e a condução automóvel.

 Sessão 5B – SOBRE A VIVÊNCIA

Ana Oliveira, Nadja Mourão e Samantha Moreira
Design para a Inovação Social: olhares biográficos através dos objetos do cotidiano, memória social da comunidade.

Luiza Arigoni e Vera Damazio
Design, Envelhecimento & Resiliência: ensaios de métodos de aproximação de idosos pelas ruas do Rio de Janeiro.

Marília Ceccon, Vera Damazio e Cristiane Duarte
Casas de Idosos: reflexões projetuais sobre espaços de memória, identidade e afeto.

Marta Rodrigues
Lojas Antigas do Porto – do diagnóstico à ação do Design.

15h30 16h30  Keynote: Rafael Cardoso
Urbanização, informação e interface: Fundamentos históricos do design como estrutura epistemológica
16h30 17h00  Coffee break
17h00 18h00  Sessão 6A – SOBRE-VIVÊNCIA

Marlene Ribeiro e Francisco Providência
Place Branding: estado da investigação em Portugal.

Emílio Santos
Entre o sentir e o tocar: a (i)materialidade da marca de São Luís do Maranhão, estudo de caso em place branding.

Rafael Arnoni e Susana Barreto
Identificação e análise das marcas de gado da Região Platina enquanto produção gráfica do design popular.

Iara Braga, Maria José Abreu e Madalena Oliveira
Da periferia para o centro da cidade: o mercado de moda popular de jeans de Fortaleza.

 Sessão 6B – SOBRE-VIVÊNCIA

Sandra Silva
O ensino do Design de Informação em Portugal.

Marta Calejo e Graça Magalhães
Do Desenho como Lugar de Acção ao Design como Ser de Transformação.

Daniela Brisolara
Design da informação nas cidades: Um estudo semiótico e comparativo Brasil- França sobre signos visuais, sinalização urbana e wayfinding.

18h00 18h30 Sessão de Encerramento:

Vice-diretora do Programa Doutoral em Design da Universidade de Aveiro
Prof.ª Doutora Joana Quental

Diretor do Programa Doutoral em Design da Universidade do Porto
Prof. Doutor Heitor Alvelos

CHAMADA DE TRABALHOS

A comissão organizadora do UD16 apela à submissão de contribuições originais na área da investigação em design, transversais à teoria e à prática. A submissão dos trabalhos (artigos e cartazes) deve ser efetuada através do sistema EasyChair. Os trabalhos submetidos serão apreciados pela Comissão Científica num sistema de double blind peer-review. Todas as propostas aceites serão convidadas a integrar os painéis no formato de comunicação oral. Os trabalhos apresentados serão publicados num livro de atas em formato digital com ISBN, disponibilizado após o encontro, em data a definir pela Comissão Organizadora. As propostas não podem apresentar sinais de identificação dos seus autores. O sistema EasyChair irá realizar o registo de cada proposta, que deve obedecer aos seguintes parâmetros:

  • Título (português e inglês);
  • Resumo até 500 palavras (português e inglês);
  • Categoria (artigo ou cartaz);
  • Palavras-chave (até 5 palavras, português e inglês);
  • Tópicos (áreas temáticas);
  • Ficheiro anexo com a proposta de artigo ou cartaz, em formato .pdf.

Artigo:

  • Corpo do artigo até 3000 palavras;
  • Referências formatadas na Norma APA.

 

Cartaz:

Este formato de apresentação condensada, combina a apresentação de um pequeno texto e uma imagem sobre a investigação em curso. Deve conter:

  • Título (até 100 caracteres incluíndo espaços, português e inglês);
  • Palavras-chave (até 5 palavras, português e inglês);
  • Resumo (até 500 palavras). O resumo deverá ser inserido somente na Plataforma EasyChair no momento da submissão, não no poster.
  • Questão de investigação (até 150 caracteres incluíndo espaços, português e inglês);
  • Corpo do texto / investigação (entre 500 e 2500 caracteres incluindo espaços, português ou inglês);
  • Referências formatadas na Norma APA (até 5 referências);
  • Imagem (área total: 2130 x 2980 px).

Submissão dos trabalhos revistos

Os autores cujos trabalhos foram aprovados pela comissão científica deverão enviar a versão final do artigo/poster até dia 1 de julho para ud16conference+final@gmail.com. Os trabalhos finais deverão usar os templates abaixo disponibilizados com a identificação e filiação do(s) autor(es). Os autores necessitarão também de proceder à inscrição na conferência, através do preenchimento da ficha de inscrição disponivel para o efeito, bem como ao pagamento e envio por e-mail do respetivo comprovativo.

ÁREAS TEMÁTICAS

As áreas de interesse sugeridas para a chamada de trabalhos para o UD16 são:

Sobre-Vivência

O Design é um contributo fundamental para o desenvolvimento e afirmação das sociedades, enquanto colectivo, e do cidadão enquanto entidade individual. O seu papel passa tanto por dar resposta a desafios económicos ou sociais, como por ser, em si próprio, um catalisador de mudança. O seu potencial está nos conflitos de que nasce ou cria, através de um jogo de opostos cujo resultado final se traduz, algumas das vezes, na redefinição dos próprios enunciados. Esta área temática procura participações que se debrucem sobre a vivência, expondo a representatividade da interação através de artefactos, significados ou experiências. Procura-se uma reflexão sobre a prática do design e do seu papel enquanto agente de mudança de paradigmas estéticos, sociais e económicos. Poderão ser incluídas, entre outras, estudos que abordem, à luz do Design, a mediação da razão e da emoção; a experiência e a prática; o individual e/ ou o colectivo; a consciência e a inconsciência; a ética e a moral; a ergonomia; a normatividade; o infra e o super – questionando os desafios, ao nível do significado e valor que se colocam hoje ao design.

Sobrevivência

A sociedade contemporânea enfrenta desafios complexos que resultam de um mundo paradoxal e sob tensão na resposta criativa às diversas, e por vezes contraditórias, necessidades. Sob este tópico, procuram-se contributos críticos com capacidade para resolver a dicotomia entre indivíduo e sociedade no atual contexto político, económico e social de espaço de igualdade, liberdade e expressão consciente. O design tem sido entendido, cada vez mais, como um instrumento de ação estratégica nas políticas económicas e sociais dos sectores público e cívico. Colocam-se as questões: qual o papel do design na definição do valor da sociedade? Que novos modelos podem ser definidos e qual o contributo dos diversos agentes envolvidos? Qual a sua influência na significação da ética e das regras sociais? Os estudos aqui incluídos devem ilustrar a reflexão, apresentando casos de estudo ou práticas e estratégias demonstrativas do contributo do design para a diversidade e inclusão, bem como do design para o desenvolvimento da literacia (dos media). Entre outros, os trabalhos poderão abordar questões como o coletivo e a singularidade; o colaborativo e o individual; a consciência racional e límbica; o bem estar e a subsistência; o intervencionismo social ; o imediato e a permanência; a resistência e a massificação; a simplicidade e a complexidade – questionando que papéis assume o design perante o desafio da sobrevivência.

Sobre a Vivência

O legado cultural de uma sociedade é um valor inestimável, enquanto contributo fundamental na definição da sua identidade e consequente ação estratégica e, portanto, tão importante no presente como no futuro. A imersão no processo do fazer e do acontecer procura referências que favorecem a reflexão e a compreensão, na demanda de inovação através de continuidade ou de ruptura. O processo criativo, em design ou em qualquer outro campo, parte de registos prévios, pontos de contacto que evocam questões, destabilizam e provocam o sentido crítico, desencadeando outros modos de ação e pensamento. Com o objetivo de identificar e compreender significados e valores da vivência das comunidades, procuram-se contributos de uma história ativa para uma herança cultural futura, através do design. As submissões nesta área temática poderão refletir sobre o papel do passado; da história; da cultura; da memória; da identidade; da persistência; da perduração do fazer (material/ imaterial); e, ainda, sobre o contributo do design para a sua preservação.

Para a Vivência

A crescente inter-relação entre design, ciência e tecnologia revela-se tão complexa quanto construtiva. Da sua interação revêm-se práticas e teorias e desenvolvem-se novas formas de envolvimento e colaboração: para além dos benefícios diretos que trazem novos produtos, estudos e práticas interdisciplinares contribuem para a organização de novas formas de ação e consciência, que vão muito além da tecnologia, criando o seu espaço em áreas como a ecologia ou a cooperação social, procurando influência através da integração numa consciência mais global. Fala-se do presente, mas mais ainda, da sua projeção futura. Este tema favorece contribuições que demonstrem o papel estratégico do design para a sustentabilidade; do design para a inovação industrial e desenvolvimento económico e prosperidade social. Os trabalhos submetidos poderão explorar temas como o futuro; a criação de estratégias; a inovação; as tendências; o consumo; a antecipação; a sustentação; a sustentabilidade; o ecodesign; a eco-inovação – questionando o papel instrumental e político do design.

ACERCA DA CONFERÊNCIA

Datas Importantes


1 fevereiro 2016: Lançamento da chamada de trabalhos


1 fevereiro 2016 a 18 abril 2016: Última chamada Submissão de trabalhos


7 junho 2016: Notificação de aceitação


20 junho 2016: Data limite de inscrição (1.ª fase)


12 julho 2016: Data limite de inscrição (2.ª fase)


22 e 23 julho 2016: UD16


Comissão Científica

Alastair Fuad-Luke Free University of Bozen-Bolzano

Alexander Schwinghammer Bauhaus-Universität Weimar

Alexandra Cruchinho ESART, Instituto Politécnico de Castelo Branco

Álvaro Sousa Universidade de Aveiro, ID+

António Costa Valente Universidade de Aveiro, ID+

Cláudia Albino Universidade de Aveiro, ID+

Daniel Raposo Instistuto Politécnico de Castelo Branco

Eduardo Corte-Real Instituto de Arte, Design e Empresa

Fátima Pombo Universidade de Aveiro, ID+

Fernando Moreira da Silva Universidade de Lisboa, CIAUD

Filipe Campelo Xavier da Costa Unisinos

Francisco Providência Universidade de Aveiro, ID+

Graça Magalhães Universidade de Aveiro, ID+

Heitor Alvelos Universidade do Porto, ID+, UTAustin­Portugal

Helena Barbosa Universidade de Aveiro, ID+

Isabel Campi Valls Universitat Barcelona

Joana Cunha Universidade do Minho

Joana Quental Universidade de Aveiro, ID+

João Cruz Universidade do Porto, ID+

João A. Mota Universidade de Aveiro, ID+

João Sampaio Universidade de Aveiro

Jorge dos Reis Universidade de Lisboa

Kátia Sá Escola Superior de Educação de Lisboa

Kátja Tschimmel ESAD Matosinhos, ID+, Mindshake

Luís Marques Ferreira Instituto Politécnico de Castelo Branco, Universidade de Aveiro

Luísa Ribas Universidade de Lisboa, ID+

Mário Vairinhos Universidade de Aveiro, ID+

Marta Pinto Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto

Miguel Carvalhais Universidade do Porto, ID+

Nuno Dias Universidade de Aveiro, ID+

Paulo Maldonado Universidade Lusíada

Pedro Carvalho de Almeida Universidade de Aveiro, ID+

Pedro Bessa Universidade de Aveiro, ID+

Peter McGrory Aalto University

Rachel Zuanon Universidade Anhembi/Morumbi

Rafaela Norogrando Instituto Politécnico de Viseu, Universidade da Beira Interior

Raul Cunca Universidade de Lisboa

Rui Costa Universidade de Aveiro, ID+

Rui Mendonça Universidade do Porto, ID+

Régio Pierre da Silva Universidade Federal de Rio Grande do Sul

Susana Barreto Universidade do Porto, ID+

Teresa Franqueira Universidade de Aveiro, ID+

Teresa Cruz Universidade de Lisboa

Vasco Branco Universidade de Aveiro, ID+

Wellington de Medeiros Universidade Federal de Campina Grande

Comissão Executiva

Francisco Providência

Joana Quental

André Abrahão

Bárbara Araújo

Cátia Pereira

Cristiane Menezes

Diogo Frias

Ivo Fonseca

Joana Ivónia Santos

Marlene Ribeiro

Olinda Martins

Renata Arezes

Syomara Pinto

Susana Fernandes

Silvina Félix

Conferências Anteriores

Localização e Contactos

Departamento de Comunicação e Arte
Universidade de Aveiro
Campus Universitário de Santiago
3810-132 Aveiro
Portugal

ud16conference@gmail.com
Facebook
Twitter
Instagram

Opções de alojamento

Os preços apresentados são meramente indicativos; p. f. obtenha junto dos hotéis os valores de alojamento mais atuais.

Hotel Aveiro Center ★★

Reserva direta para o hotel com referência ao evento:

Quarto single – 43€
Quarto duplo – 55€

Hotel Moliceiro  ★★★★

Preços com pequeno-almoço incluído.

Quarto single – 97€
Quarto duplo –  115€

Hotel As Américas  ★★★★

Quarto single – 88€
Quarto duplo – 88€

Hotel Afonso V  ★★★

Quarto single – 39€
Quarto duplo – 58€

Veneza Hotel  ★★★

Quarto single – 50€
Quarto duplo –  58€

Hotel José Estevão  ★★

Preços com pequeno-almoço incluído.

Quarto single – 55€
Quarto duplo – 65€

Hotel das Salinas ★★

Preços com pequeno-almoço incluído.

Q. duplo 1 pax – 70€
Q. duplo 2 pax – 90€

Welcome In

Dormitório – 23€
Quarto duplo – 62,5€

FAQ

Como chegar a Portugal?

Para além das companhias aéreas regulares, existem opções low-cost na Europa para Portugal. A Ryanair voa para Porto e Lisboa, e a Easyjet voa para Lisboa. O aeroporto mais próximo de Aveiro é o Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto.

Como apanhar um comboio para Aveiro a partir do aeroporto Sá Carneiro?

É possível apanhar um taxi do aeroporto para a estação de comboios de Campanhã, com uma duração de viagem de aproximadamente 15 minutos (dependendo do trânsito) e cujo custo é de cerca de 20€. Está também disponível no Porto o serviço de transporte Uber. Encontra-se também disponível o metro de superfície entre o aeroporto e a estação de Campanhã, com partidas com periodicidade de meia hora. A viagem dura cerca de 35 minutos e custa 1,80€.

Info: Metro do Porto

Quais os meios de transporte para Aveiro a partir do Porto?

Por comboio: o serviço de comboio entre Aveiro e estação de Campanhã é frequente. As opções de comboio São o Alfa-Pendular (o mais rápido), o InterCidades ou o Urbano (o mais económico), com preços entre os€14,20 e os €3.35, respetivamente. A viagem de comboio entre Porto e Aveiro demora entre 30 minutos e uma hora, dependendo do tipo de comboio.

Info: Comboios de Portugal

Por carro: Tomar a A1 em direção a Lisboa, ou a A29 em direção em Aveiro. A viagem demora cerca de 50 minutos (78 km), e a portagem é cerca de 4,70€.

Como apanhar um comboio para Aveiro a partir do aeroporto de Lisboa?

Existe uma linha de metro entre o Aeroporto de Lisboa e a estação de comboio do Oriente cuja viagem demora cerca de 10 minutos e custa 1,40€.

Info: Metro de Lisboa

Quais os meios de transporte para Aveiro a partir de Lisboa?

Por comboio: O serviço de comboio entre Aveiro e estação do Oriente é frequente (Alfa-Pendular ou InterCidades). A viagem para Aveiro dura cerca de 2,5 horas, e o preço das passagens varia entre os  26,30€ e os 20,20€.

Por carro: tomar a A1 em direção ao Porto (254 km / aproximadamente 2,5 horas de viagem). Virar na saída com a indicação Aveiro Sul (saída 15). Aveiro encontra-se a 10 minutos de distância ao longo da estrada N235.

Como chegar ao local da conferência a partir de Aveiro?

A partir da estação de Aveiro até à Universidade de Aveiro a pé: cerca de 30 minutos.

De autocarro: cerca de 15 minutos.

De táxi: cerca de 5 minutos (dependendo do tráfico), e custa cerca de 5€.

De carro: assim que se chega a Aveiro a localização da Universidade está bem sinalizada.

Fotografias

Use a hashtag #ud16aveiro nas suas fotos do Instagram e junte a sua experiência à memória deste encontro. Consulte ou descarregue a nossa seleção completa de fotografias do evento em http://tinyurl.com/ud16fotos.

Load More
Something is wrong. Response takes too long or there is JS error. Press Ctrl+Shift+J or Cmd+Shift+J on a Mac.

Patrocínios

meiaduzia
agim
nobrinde
shoyce
grafigamelas
delta
cavessjoao
letratec

Apoios

ua_preto
fbaup
idmais